Home Fale Conosco Curriculum Livros
Artigos
Pesquisas
Informativos
Matérias
Contato
Álbum de Fotos
Indique este Site
 

Origens e efeitos de Normas Contábeis 

Antônio Lopes de Sá

Em fevereiro de 2005 o emérito professor Stephen A. Zeff escreveu um artigo alertando sobre as normas de Contabilidade; advertiu que as referidas estavam sendo adaptadas para atender a interesses particulares na acomodação de informações de balanços, de acordo com as vontades de partes.

Ou seja, por extensão, infere-se que de acordo com o acusado pelo egrégio intelectual, as normas consideradas como “internacionais” adotadas hoje no Brasil para sociedades abertas e grandes empresas, por força da Lei 11.638/07 não teriam idoneidade técnica, por serem manipuláveis segundo a vontade de especuladores privados, seguindo a políticas de conveniências de grupos.

Tal revelação o autor a justificou através de um competente histórico sobre a elaboração das ditas normas, estas egressas originariamente da entidade particular FASB (Financial Accounting Standards Board), instituição que em julho de 1973 sucedeu ao “Accounting Principles Board (APB)” nos Estados Unidos, gerando, pouco depois, uma entidade apêndice em 1977 a “SIC” para “interpretar” procedimentos.

Informou ainda o grande estudioso, no mesmo trabalho, que dois dias depois de constituído o novo FASB nascia, coincidentemente, o International Accounting Standards Committee (IASC), este que depois de 2001 seria denominado IASB (entidade privada sediada na Inglaterra da qual o Brasil vem agora, por efeito da Lei 11.638/07 traduzindo e se submetendo a tais Normas).

O plano normativo derivado de grupos particulares, todavia, já vinha sendo posto em marcha desde a década de 60, tal como em trabalhos de pesquisa publicou o egrégio professor Jorge Tua Pereda, da Universidade Autônoma de Madri em obra intitulada “El marco conceptual de la información financiera”, editada em 1996 pelo Instituto de Auditores-Censores Jurados de Cuentas de España, do Ministério de Economia e Fazenda.

Como parte de tal sistema, em 1969 e 1970, o Accounting Standards Steering Committee foi criado no reino Unido e Irlanda, substituindo a atuação do Institute of Chartered Accountants in England and Wales, com o objetivo de produzir “normas”.

Sem dúvida, tal como informa Zeff, infere-se facilmente ter ocorrido uma série de medidas coincidentes que içou através de força na mídia a expressão “Standard” e depois “International Accounting Standards” (IAS), que aqui se difunde como “Normas Internacionais de Contabilidade” (NIC); para a implantação do sistema, segundo o divulgado, têm entidades promotoras do regime investido muitos milhões de dólares.

Quando a movimentação normativa fervilhava, no fim da década de 70, estive pessoalmente com o professor Zeff, pesquisador do assunto e autor da matéria referida.

Minha obra pioneira no Brasil, sobre Normas Técnicas, havia impressionado o referido mestre, segundo me disse; depois de haver-me feito muitas perguntas recebeu minha resposta de que dedicação e preocupações de minha parte eram preferencialmente os temas ligados a ciência.

Externou-me, então, que as investigações que fizera permitiam a conclusão de que problemas muito sérios poderiam ocorrer; argumentou que a razão de seus temores situava-se no ensejo de manipulação de dados contábeis que as normas ofereciam; referiu-se com destaque ao “subjetivismo” ensejado, este através de “alternativas” que abriam estradas ao contraditório deixando, por isso, de ser verdadeiras, segundo os preceitos Lógicos.

Fiz ver ao ilustre mestre que mesmo com meu objetivo centrado na doutrina superior da Contabilidade e Administração, não desconhecia os gravosos acontecimentos que eclodiram no fim da década e que motivaram uma Comissão Parlamentar de inquérito no Senado dos Estados Unidos.

Naquela mesma ocasião, sobre o referido escândalo financeiro da década de 70, no DIÁRIO DO COMERCIO, de Belo Horizonte, cedi ampla reportagem, comentando sobre o risco que se estava a correr; isso por que também o Senado dos Estados Unidos, em relatório oficial, havia ostensivamente denunciado o uso indevido da Contabilidade, do nome de entidades da classe contábil, para fins de manipulação de balanços, lucros e perdas; o alentado relato, em 1760 páginas, eu já o tinha em mãos.

Concomitantemente o professor Rogério Pfaltzgraff, na TRIBUNA DA IMPRENSA, em uma sucessão de artigos, fazia graves acusações quanto à atuação aética de empresas transnacionais de auditoria e em palestras e pronunciamentos igualmente, na mesma linha de pensamentos, lançava pesadas críticas o emérito Professor Doutor Alberto Almada Rodrigues, da Universidade do Brasil.

A questão, pois, segundo advertiram Zeff, o Senado, intelectuais diversos da área contábil, não estava em “transparência”, mas, em “acomodação do informe contábil ao sabor do cliente inescrupuloso”.

O que provinha do mundo anglo saxão, apoiado por vastas influências na mídia e por agentes de especuladores financeiros fazia prenunciar crises que deveras se sucederam, até culminarem com a mundial de 2008.

O processo, todavia, não cessou; segue sua marcha, com a omissão, ainda em face de providências que possam proteger a fidelidade da informação contábil.

Produções normativas continuam a fluir de entidade privada sediada na Inglaterra, sob o controle majoritário de grupos norte americano e europeu (IASB); modestíssima continua sendo a participação do restante do mundo (ressalvado um percentual, sem poder de decisão final, para todo o continente asiático) na entidade normatizadora, segundo estatísticas editadas na Internet; a denominação “internacional”, pois, parece não coincidir a expressão de comando e decisão da entidade emissora, segundo o divulgado publicamente.

Não se pode negar, pois, que a publicação de Zeff feita em 2005, assim como as demais ao longo das últimas décadas do século XX, precedeu o estouro da bolha que gerou no presente um macro desastre financeiro mundial; alertas não encontraram eco, nem um competente e responsável tratamento que merecia da parte dos poderes públicos.

Em 1997, em conferência que realizei na Universidade de Saragoça, perante quase totalidade dos professores universitários de Contabilidade da Espanha, contribui realizando as mesmas advertências (o texto desta se encontra em minha página
www.lopesdesa.com.br); fundamentei-me nas diversas acusações, especialmente nas do ilustre professor da Universidade de New York, Abrahan Briloff; complementou minha convicção a denúncia que faziam competentes jornalistas da “Der Spiëgel” da Alemanha (Harald Schumann e Hans-Peter Martin, que depois editaram a obra “A armadilha da globalização”); segui alertando culturalmente sobre os problemas éticos e tecnológicos derivados do processo normativo tal como estava organizado.

Cumprimos a nossa parte, mostrando as origens verdadeiras do comportamento político de concessões e negociações em que se fundamentava o movimento normativo, sob pressão de grupos de especulação, em conivência com agentes dos mesmos (tal como denunciaram a partir de dados de fonte Zeff, Briloff, Martin, Schumann, Koliver, Nepomuceno, Fernandes Ferreira, Cravo, Carqueja, Hendricksen, Breda e tantos outros); as pressões e influências, pois, que agora aludem ser do momento, na verdade não são de agora, mas, de passado já distante.

Os efeitos daninhos que foram prenunciados e pronunciados, acabaram por ser materializados; escândalos no mercado financeiro, com sérios calotes, se acumularam em trilhões de dólares, golpeando a vida econômica das nações no mundo inteiro e isso não é apenas suposição.

É preocupante que o sistema que começou a se estruturar na década de 60, sempre evoluindo, persistentemente, termine por encontrar adesão e apoio em nosso País amparado pela lei 11.638/07; as consequências serão imprevisíveis, mas, a variação em lucros e perdas nas empresas, de bilhões de reais, já é anunciada pela imprensa com alusão ao uso dos que denominaram como “Padrões Internacionais de Contabilidade” (matéria editada em Fiscolegis em 22/06/2009, na Internet).

Entrementes um clima atual nos Estados Unidos é criticado por favorecer o crime do colarinho branco, a fraude, como acusa o prestigioso “Le Monde” de 23 de junho de 2009 no artigo “Crise financière: les responsables jouissent d´une insolente impunité”; afirma o jornal que remorsos não existem por parte dos especuladores caloteiros e que as punições são raras.

Enquanto isso as economias vão sofrendo os efeitos da irresponsabilidade exportada; o jornal italiano “Corriere della Sera” de 24 de junho de 2009 informava, na página de Economia, que a redução do Produto Interno Bruto naquele País, neste ano, chegaria a expressiva queda de 5.5%; o “Le Figaro” da França anunciava que a dívida pública do País estava em montante igual a 88% do Produto Interno Bruto; segundo a OCDE, conforme o veiculado no Jornal do Brasil de 24 de junho, na seção de Economia, o Brasil sofrerá uma recessão forte em 2009 e os Estados Unidos, segundo o Valor On Line de 25 de junho, acusa uma recessão de 5,7%, deveras expressiva para uma economia da dimensão do referido;também o prestigioso jornal Estado de São Paulo divulgava em 25 de junho que a inadimplência das empresas no Brasil havia crescido em 27%, percentual esse deveras expressivo.

Sem dúvida, situações indesejáveis como as referidas, ocorridas no Brasil e em Países ditos de primeiro mundo, donos de uma longa história, são efeitos perversos de calotes que se agasalharam em ativos e resultados falsos, protegidos pelas licenciosidades de “normas”...

Será a continuidade disso o que a comunidade deveras almeja?

Cumprimos, todavia, inconformados diante desses cenários, o nosso dever cívico, ético, de responsabilidade perante a sociedade, a classe, nossos leitores e discípulos, tornando público o que apuramos em nossas indagações, fruto de longa participação no movimento cultural tecnológico e científico da Contabilidade.

Resta-nos a consciência tranquila de não ser omisso, de apresentar a realidade há décadas, evocando fatos comprovados no sentido de proteger a dignidade profissional e a preservação da grandeza de um conhecimento de rara utilidade social e humana.

Não evocamos matéria que pudesse ser considerada polêmica; advertimos, apenas, sim, sobre uma realidade que tange o bolso de milhares de seres, com lesão material, palpável, concretamente profunda, que ocorre há muitos anos, mas hoje atingindo a todo o mundo, em razão de desmedidas ambições financeiras, com o uso indevido da Contabilidade e das estruturas da classe, como foi por fontes de pleno crédito denunciado.