Home Fale Conosco Curriculum Livros
Artigos
Pesquisas
Informativos
Matérias
Contato
Álbum de Fotos
Indique este Site
 

Males causados a si mesmo

Maiores que os males que centenas de pessoas podem provocar são aqueles que cada um causa a si mesmo.

O “estresse” que hoje domina um sem número de pessoas é uma doença que elas mesmas cultivaram dentro de seus próprios seres.

A ansiedade, o medo, filhos da insegurança, são terríveis venenos anímicos.

Preocupações inúteis, visões desastradas do destino, pessimismo, são poderosas fontes de “energia negativa”.

Neurocientistas descobriram que estados mentais negativos promovem perturbações orgânicas, tornando o corpo vulnerável a doenças infectocontagiosas como gripes, herpes, resfriados, em razão de enfraquecimento do sistema imunológico.

Experiências realizadas na Inglaterra, em Sheffield, nos fins do século passado, comprovaram que as pessoas mais estressadas são mais vulneráveis aos vírus dos resfriados.

O imunológico e o emocional possuem mais associações do que se pode imaginar.

Outras mais graves lesões podem ainda advir como gastrites, úlceras etc. tudo em conseqüência da debilidade que é internamente provocada pela mente.

Inclusive o sistema cardiovascular pode ser lesado por efeito de “pensamentos negativos”.

Preocupação profunda, derrotismo, falta de crença em si mesmo, corrói o corpo como se fosse um poderoso ácido.

A doença está profundamente associada ao estado mental de cada ser.

A resistência do corpo depende do comportamento da mente.

Quanto mais tensão possui uma pessoa e tanto mais fica exposta aos males físicos.

Dizia meu sábio avô materno que “existem mais doentes que doenças”.

Fui entender com maior profundidade o que ele me ensinava, comprovando a tese que possuia, quando visitei a singela aldeia em que ele nasceu, no sul da Itália.

Ali encontrei expressivo número de pessoas idosas e saudáveis.

Não foi preciso muito esforço para perceber que apesar de tantas guerras e invasões que a região sofrera ao longo da história, provocando crises sucessivas, aquela gente estava sempre mais ligada aos encantos da natureza, a convivência solidária da família, que mesmo aos problemas.

Em verdade, do alto da pracinha aonde lá se situa a igreja de São João pode-se ver ao longe, em frente, o mar azul rumo ao estreito de Messina e às costas distantes picos nevados.

Hábitos simples, refeição substanciosa, mas, moderada, permitem que muitas ambições deixem de existir, essas que quase sempre contaminam a alma.

Na realidade, tantas vezes congestionamos a mente com desejos descabidos, com receios que se tornam em fantasmas na mente, que nos tornamos vítimas de nós mesmos.

A pressão mental é inimiga da saúde.

Se a cada dia avaliarmos as tantas coisas que nos são permitidas, em vez de lastimarmos por aquelas que julgamos nos são negadas, certamente reduziremos em grande parte as nossas tensões.

A depressão que atinge a muitos seres é quase sempre fruto da falta de avaliação do referido confronto, ou seja, do que se tem e se desfruta a mais que muitas outras pessoas e não se considera como um bem.

A cada dia o simples tomar o café da manhã já é um privilégio, este que é negado a muitos que não podem enxergar, locomover, falar, ouvir e alimentar regularmente, porque tais coisas lhes foram negadas pelo destino...