Home Fale Conosco Curriculum Livros
Artigos
Pesquisas
Informativos
Matérias
Contato
Álbum de Fotos
Indique este Site
 

Perda de si mesmo

Antônio Lopes de Sá

Contrariedades são comuns na vida, mas, existem algumas que ultrapassam os limites, tornando-se traumáticas.

As mais fortes provocam desequilíbrios que podem levar a uma sensação de “perda de si mesmo”.
 
Em tal estado os sintomas de medo, tristeza, desilusão, desânimo profundo, tiram o encanto de viver.
 
O descontrole emocional, levando a depressão, ao estado de profunda melancolia, não só perturba a vítima, mas, também, contamina o ambiente, influindo negativamente sobre outras pessoas.
 
A incapacidade de reação passa a exigir tratamento, inclusive físico, com a ingestão de medicamentos que estimulem a glândula cerebral afetada, mas, disso pode resultar dependência gravosa, e, então, a plena liberdade não é alcançada.
 
O acompanhamento por um psicoterapeuta geralmente é o caminho e este não só assume o papel de protetor, de guia, como provoca a análise do trauma.
 
A referida apreciação detalhada consiste em fazer com que o paciente relembre ou liberte tudo o que na mente se aninhou e que foi motivo da lesão.
 
Esse processo é similar ao que Freud sugeria como forma de “enfrentar” os denominados “reflexos condicionados” que causam as neuroses (embora modernamente existam progressos apreciáveis sobre a questão).
 
Tal descrição procedida teve a intenção de relatar um fenômeno que atinge a muitos seres, Devendo, todavia, ensejar reflexões de maior amplitude ainda.
 
O que as neurociências explicam e pesquisam é o que lhes cabe dentro dos limites convencionais do conhecimento pertinente, mas, além de tudo isso é cabível reflexão.
 
Entre as coisas ligadas a matéria como são as emoções, as ações cerebrais, existe a causa que tudo move e que são as questões ligadas à energia vital, ou seja, as do espírito.
 
Fenômenos paranormais narrados por pessoas cujas palavras merecem crédito e muitos dos quais tenho observado e testemunhado, embora ainda sem rigor científico desejável, evidenciam, entretanto, que algo mais pode amenizar os traumas mentais.
 
O considerado por vezes “extra lógico”, por paradoxal que pareça, pode oferecer razões à Lógica, se admitirmos que entre causa e efeito dos fatos possa haver uma interferência chamada “destino”.
 
Ou seja, existe força essencial organizada em finalidades definidas que parece a tudo reger, concepção que levou por vezes Einstein a afirmar que “Deus não joga dados” (embora o conceito da divindade para o emérito cientista não tivesse conotação religiosa).
 
Minha longa experiência de vida fez-me entender que somos movidos por determinações, aquelas que nos deram a própria origem, uma vez que não somos os autores de nossas próprias existências.
 
Nada acontece sem uma razão determinada e coisa alguma se determina por si mesma.
 
O dualismo que a tudo rege é eloqüente para demonstrar que o equilíbrio se faz de opostos.
 
A própria afirmação é a negação de algo, como a negação é uma afirmação.
 
É nessa base, no nível da energia, do espírito, que admito que os traumas possam ser desfeitos, ou seja, pela afirmação das causas se caminha para a negação dos efeitos do mesmo.
 
A conversão do mal em bem depende do próprio mal desnudado, ou ainda, dentro do mesmo princípio das vacinas que faz injetar no individuo o veneno de uma serpente para curar o veneno que a mesma naquele injetou.
 
O cérebro, ao fechar-se para a ação do espírito precisa ser liberado através não só de meios materiais, de pensamentos como efeitos, mas, substancialmente de uma evocação para a recôndita força da alma.
 
O “milagre” está dentro de cada um de nós; opera-se pelo reencontro com o perdido que em verdade nunca se perdeu, pois, a luz interna só se opacifica quando não se dissipam as nuvens do medo, estas que somos nós mesmos que as produzimos pela falta de confiança na grandeza cósmica de nossa origem.